domingo, 9 de setembro de 2018

Asfalto próprio para ciclovias

Karen 
bom dia 

Estou encaminhando sua mensagem para quem provavelmente tem o Manual completo e pode orientar melhor. 

O que posso adiantar é que se tome cuidado com a drenagem da ciclovia ou ciclofaixa, que na maioria das vezes tem sido mal feita e até um desastre. 

O piso que melhor drena água é um tipo de asfalto que absorve com muita rapidez a água. Iria ser usado no projeto cicloviário de Guarulhos e foi recomendado por um dos professores da USP. Vi pessoalmente a capacidade de drenagem deste asfalto e é maravilhosa. O professor disse que na realidade é só preciso recalibrar a usina de asfalto, o que não é difícil. A questão é que há poucos especialistas habilitados a fazê-lo e o custo pode ser alto para pequenas quantidades. 

Aqui em São Paulo, e não só aqui, as ciclovias de canteiro central ou sobre calçadas estão feitas em cimento pintado, que praticamente não absorve a água. Pior, como são planas, sem a caída para a água, na menor chuvinha ficam cheias de poças. 

Outro problema que se enfrentou aqui foi causado por uma das tintas usadas, que simplesmente zeravam a aderência quando molhadas. Ciclistas profissionais, com experiência inclusive em países que as ruas gelam, acabaram no chão. Como o fato ocorreu faz tempo não me lembro com certeza que tinta era, mas creio que fosse uma tinta a base de água. Enfim, o pessoal que copiei poderá responder. 

Precisando qualquer outra coisa por favor entre em contato 
Obrigado por avisar que o o link do Manual está com problemas 

abraço 
Arturo Alcorta 
Escola de Bicicleta
------------------------------------------------------------------------------

Em 04/09/2018 18:22, 
Karen Pasqua escreveu:

boa tarde. 

Onde posso encontrar o Manual de planejamento cicloviário completo? 
Encontrei uma versão na internet, porém estão faltando justo as páginas sobre o pavimento da ciclovia (68 em diante). 
Este manual que me enviou é o mesmo que encontrei no Google. 
Veja que da página 49 ele muda para a página 115, seguindo corretamente até a página 126. 
Depois ele volta pra página 50 e vai corretamente até a página 67 e depois pula para a 95.  
Minha procura é justamente no item 4.2 - pavimentação que estão citados entre as páginas 68 a 74, que não se encontram nesta 'versão'. 

Sou engenheira e trabalho com projeto viário e, gostaria muito de obter mais informações sobre os tipos de pavimento a ser utilizados em ciclovia, suas vantagens, desvantagens e métodos de execução. 

Será que vc saberia onde posso encontrar mais informações? 

Muito obrigada. 
Aguardo retorno.

sexta-feira, 24 de agosto de 2018

último pneu Levorin


É com alegria que anuncio que estou jogando no lixo reciclável meu último pneu Levorin, mesmo modelo dos que foram vendidos e montados em bicicletas nacionais novas por décadas. Era difícil, quando não impossível monta-los centrados por que no geral tinham a cinta de aço com um perímetro menor que da banda de assentamento dos aros, mesmo os de importados de alta qualidade. Para monta-los só com espátulas, com muito cuidado para não furar a câmara e fazendo força para entrarem no aro, o que é um absurdo. Fora que eram pneus de baixa pressão, 36 libras, fabricados com uma borracha que rodava pesado e que gastava rápido, isto quando não tinham que ser trocados antes do tempo por muita deformação na banda de rodagem. Prestaram um grande desserviço para o Brasil e prejudicaram muito, muito mesmo, o desenvolvimento do uso da bicicleta e o estímulo para pedalar. Nas bicicletas mountain bike urbanas baratas dos grandes fabricantes era montado um Levorin - este da foto - com um desenho de banda de rodagem abiscoitado que vibrava a bicicleta, rodava preso, tinha pouca aderência. Para completar nunca se podia saber o que ia acontecer com as câmaras fabricadas pela Levorin, se iam esvaziar rapidamente, se iam furar com facilidade, se.... ou se por milagre iam funcionar bem. O que nunca vou entender é como os grandes fabricantes aceitaram esta situação. Conheço muita gente que tem ódio de bicicleta por causa dos pneus que nunca estavam cheios nos fins de semana. Foi regra, não problema isolado.
Levorin foi durante uns bons anos praticamente dona do mercado de pneus no Brasil. Pelo que me disseram, por causa dos preços baixíssimos, acabaram com a concorrência, incluindo ai a Pirelli Brasil, a principal concorrente.

A indústria mundial de pneus para bicicleta faz a décadas que produz pneus que montam no aro com facilidade, até sem necessidade de espátulas, que podem ser calibrados até pelo menos 45 libras, leves, com borracha de boa aderência e mínimo arrastro, e desenho de banda de rodagem que faz o ciclista rodar com pouco esforço, prazer e segurança. Num pneu 26 X 2.1 a diferença do rodar só com 4 libras a mais, de 36 para 40 libras, é bem sensível
Como tive contato com o mercado e fabricantes ouvi que a razão para esta diferença de medida se justificava porque fabricantes de aros nacionais, alguns também de baixa qualidade, também entregavam aros com variação de perímetro, algumas vezes menor que padrão, o que fazia que o pneu escapasse do aro ao ser calibrado. "Eu faço errado porque ele faz errado"? Bem Brasil! O pior de tudo é que o mercado aceitou, as pessoas compravam, ninguém reclamou nos órgãos competentes. Deprimente!

Parece que a Levorin deixou esta fase horrorosa para trás e está fazendo pneus melhores. Espero que sim. Parece que agora tem participação da Michelin, um dos maiores e mais respeitados fabricantes de pneus do planeta. 

sexta-feira, 13 de julho de 2018

1890 Lozier and Yost "The Giant No. 4" Bicycle

As rodas são 30 polegadas. A tensão da corrente é ajusta no movimento central. É possível ajustar o comprimento dos pés de vela em três posições para rosquear os pedais Só tinha o freio traseiro, que ficava escondido atrás do movimento central. O selim de couro tem múltiplo ajustes e um sistema de suspensão muito interessante, por barra de torção. Os paralamas são tão modernos quanto das motos mais sofisitcadas de hoje.

segunda-feira, 2 de julho de 2018

andar de monociclo: divertimento que acalma

Não posso dizer que já sei andar de monociclo, mas já consigo fazer alguma coisa e isto me deixa para lá de feliz. Decidi aprender a pedalar monociclo com 59 anos e sei que não estou passeando por ai com ele porque treino muito pouco, uma vez a cada sei lá quantos meses. Mesmo assim a cada dia estou melhor e indo mais longe. É mais fácil do que parece.
Posso dizer que monociclo é para qualquer um, basta seguir o passo a passo do aprendizado. Digo também que poucas coisas nesta vida são tão calmantes como aprender a pedalar o monociclo, primeiro porque é uma brincadeira, depois porque você só consegue fazer alguma coisa se se concentrar e se acalmar. Perigoso? Não é, ou melhor, é muitíssimo menos perigoso do que parece e se possa imaginar se você respeitar o passo a passo do aprendizado. Tenho joelhos e lombar cheios de problemas, fiz tudo com cuidado, e não me machucou. Tombinho uma vez ou outra, nada dolorido, menos perigoso que capote de bicicleta em baixa velocidade, os piores. No monociclo é possível pular fora e sair andando. 
A aula deste italiano é a melhor que achei, mesmo para quem não entende italiano. Se precisar uma tradução vai até a cantina e pede ajuda para a nona ou o nono (que vão te considerar um "pazzo" - louco em português. Faz parte.
Boa diversão

segunda-feira, 25 de junho de 2018

Giro d'Italia 2018 e a logística para a partida em Israel


Nesta página da La Gazzetta delo Sport, da Itália, é possível a loucura que é necessária para transportar todas equipes do Giro d'Italia entre etapas, no caso de Israel, de onde foi dada a partida da prova, para a Itália, onde a prova teve sequência. Esta operação foi realizada mais algumas vezes dentro da própria Itália.

terça-feira, 19 de junho de 2018

DeAnima - alma italiana do pequeno fabricante de bicicletas

 
Não preciso dizer que italiana tem uma tradição de fabricar bicicletas especiais de ciclismo. Alguns nomes são bem conhecidos e suas bicicletas são verdadeiras obras de arte. Melhor, como uma maravilhosa massa caseira que só se entende a qualidade única na primeira garfada a boca. Quem já teve o prazer de pedalar uma destas bicicletas descobre a razão para tamanha mística nos primeiros metros de pedal. Bicicleta tem alma, e quem lhes dá alma, misto de mágicos e semi deuses.
https://pelotonmagazine.com/video/deanima-italian-soul/
https://pelotonmagazine.com/

segunda-feira, 28 de maio de 2018

Inglaterra 1961: uma família faz um passeio de bicicleta

Os efeitos da Segunda Guerra Mundial, que devastou a Europa e boa parte do planeta, ainda eram bem vivos em 1961, 16 anos depois da decretação da paz. A economia do Reino Unido nesta época ia bem, mas havia muito a reconstruir, o dinheiro era curto. Como em toda Europa a bicicleta teve uma participação importante na reorganização econômica e social da população. O sistema de transporte já estava funcionando normalmente e custo de carros e motos caía, o que foi colocando a bicicleta em segundo plano para o transporte das massas. A qualidade das bicicletas, já muito afetada pela escassez de bom material para sua fabricação e a prioridade dada a outros setores da economia, foi se deteriorando até ter sua pior fase nos anos 70, quando a prioridade estava completamente voltada para os veículos motorizados, que tiveram importância estratégica na reconstrução da macroeconomia mundial.

segunda-feira, 21 de maio de 2018

Donkey Bike - como a primeira bicicleta de segurança

Esta Donkey Bike é basicamente a primeira bicicleta segura, que não capotava de frente com tanta facilidade como um biciclo. A bicicleta de segurança foi criada nos EUA e não passava de um biciclo invertido, ou seja, o ciclista pedalava sentado sobre a roda grande, mas com a roda pequena reposicionada para a frente. Há uma foto desta descendo a escadaria do Capitólio em Washington. Este projeto é, de certa forma, o início de uma nova era, a da bicicleta como conhecemos hoje.
Interessante é que donkey significa asno, jumento; um leve humor tipicamente inglês.
Desenhos exóticos de bicicleta foram criados aos montes. Não resta dúvida que a melhor solução é a do quadro diamante, a bicicleta mais comum. O povo sabe.



quarta-feira, 16 de maio de 2018

NY e o amor secular pela bicicleta


Desconheço a origem do texto.
Nunca tinha visto os termos “swift walkers,” e “dandy horses” para designar uma bicicleta. Dandy horses é bem gosado, já que a bicicleta virou moda no meio dos almofadinhas ou mauricinhos.
 
NYT One hundred and 99 years ago, New York City began its love affair with : bicycling.
Bicycling at Fifth Avenue and 124th Street in 1897.
Bicycling at Fifth Avenue and 124th Street in 1897. Bettmann, via Getty Images
One hundred and 99 years ago, New York City began its love affair with another sport: bicycling.
The first bicycles — known then as “swift walkers,” “velocipedes” or “dandy horses” — were introduced to the United States in 1819 here in New York City.
The proto-bikes had wooden frames, wooden wheels covered in leather and seats that allowed riders to dangle their legs on either side and push themselves along. (As you can imagine, riding one looked awfully silly.)
And it didn’t take long for our city to regulate the new contraptions.
By August 1819, the Common Council passed “a law to prevent the use of velocipedes in the public places and on the sidewalks of the City of New York.”
The skirmish between the city and cyclists continues. A group of e-bike activists gathered this week at City Hall demanding that the city clarify laws surrounding pedal-assist bikes. They say the police use the laws to punish food delivery workers.

modelos de bicicletas entre 1818 e 1890; e mais

A evolução completa do desenho da bicicleta, desde a draisiana até as bicicletas de hoje. A grande mudança se dá com o surgimento das bicicletas de segurança que resolveram o grave problema de segurança dos biciclos, as bicicletas de pedal na grande roda dianteira. Eram difícil de pedalar e muito fácil se machucar com elas, mesmo assim tiveram seu tempo de glória chegando a ser um fenômeno social mundo afora.




terça-feira, 15 de maio de 2018

bicicleta década 50 (?) com motor a gasolina no central

Esta maravilhosa bicicleta com motor a gasolina no central, provavelmente da década de 50, está na vitrine de uma farmácia na Piazza Vittorio Veneto, em Verona, Itália. A transmissão é feita exatamente da mesma forma que os moderníssimos motores elétricos da Bosch e Shimano, através da corrente do pedal. O motor fica posicionado em baixo do movimento central o faz com que centro de gravidade também fique baixo, a melhor solução. Normalmente os motores a gasolina para bicicleta daquela época ficavam presos no meio do triângulo dianteiro e usavam uma segunda corrente para fazer a transmissão do motor para a roda, o que muda completamente a estabilidade e dinâmica do rodar da bicicleta. A posição do motor desta bicicleta italiana é a melhor opção. 





De lambuja fotos desta maravilhosa Indiana, que mesmo com este nome é Italiana. Está a venda